Os Irmãos Maristas são pessoas que disseram “sim” ao chamado de Deus para viver o carisma de Marcelino Champagnat. Seguem a Jesus do jeito de Maria e dedicam suas vidas à educação de crianças e jovens do mundo todo, especialmente as mais vulneráveis. 

Como começou a história dos Irmãos Maristas?

Para entender a origem dessa história, vamos voltar ao século XVIII – mais precisamente a 1789. Neste ano, no dia 20 de maio, nasceu Marcelino Champagnat, na localidade de Marlhes. Os pais se chamavam João Batista Champagnat e Maria Teresa Chirat. Um casal humilde, religioso e que, desde cedo, ensinara aos filhos o caminho de Jesus e Maria.

Contexto histórico

No fim do século XVIII, estava em pleno vapor o desenrolar da Revolução Francesa. O movimento que depôs a monarquia francesa provocou profundas transformações na sociedade.

Um dos episódios mais marcantes de Marcelino, enquanto criança, ocorreu em decorrência da precarização das escolas na época. Foi quando um professor dele tratou mal um de seus colegas de classe. Daquele dia em diante, Champagnat passou a ser educado em casa, pelo pai, que tinha alto nível de instrução para a época.

Discernimento do chamado à vocação ao início da história dos Irmãos Maristas

Aos 14 anos, Marcelino teve uma conversa com um padre que passava pela região. Naquele momento, teve uma iluminação e ouviu o chamado de Deus ao sacerdócio. Começou seus estudos em um seminário em Lyon e ordenou-se padre em julho de 1816.

No seminário, Marcelino conheceu um grupo de jovens que, assim como ele, tinham em comum a fé e o desejo de ajudar o próximo. Ao mesmo tempo, Marcelino sentia, a necessidade de atuar na transformação da realidade da época, que era de precarização da educação e cultura.

Foi então que em 23 de julho de 1816, um dia após ordenação, ele se reuniu com os doze colegas de seminário e juntos deram rumo a essa vocação. Foram até capela de Fourvière e lá assinaram um documento confirmando a decisão de fundar a “Sociedade da Bem-Aventurada Virgem Maria”.

Nele, os jovens escrevem sobre a:

“sincera intenção e a firme vontade de nos consagrar, logo que surgir oportunidade, à instituição da piedosíssima congregação dos Maristas”

O chamado à fundação dos Irmãos Marista

Logo após firmarem a promessa, Marcelino foi imediatamente atuar em La Valla, onde passou a empenhar todo o seu esforço para levar os ensinamentos de Jesus às pessoas. Na sua rotina estavam visitas a doentes, catequese às crianças, auxílio aos pobres e orientação cristã das famílias.

Em um desses trabalhos, após 6 meses no local, Marcelino foi chamado a dar conforto espiritual ao jovem Jean-Baptiste Montagne que estava em seu leito de morte.

Ali Champagnat percebeu que o enfermo sequer tinha ouvido falar de Deus. Foi um choque. Depois disso, teve reforçado o seu desejo de criar uma congregação dedicada a crianças e jovens, para tornar Jesus e Maria conhecidos e amados.

Então, no dia 2 de janeiro de 1817, em La Valla, Marcelino fundou, ao lado dos seus dois primeiros discípulos, o Irmão João Maria Granjon e o Irmão João Batista Audras, a Congregação dos Irmãozinhos de Maria ou Irmãos Maristas. 

Aos poucos, novos Irmãos foram se juntando ao carisma e logo foi necessário ampliar o espaço físico, com a construção do centro de L’Hermitage. Em 1836, a Igreja reconheceu oficialmente a Sociedade de Maria.

Hoje, 203 anos depois, são ao todo mais de 3 mil irmãos espalhados por 80 países nos cinco continentes. Ao lado deles, mais de 70 mil leigos atuam diretamente na missão Marista. Já foram mais de 650 mil crianças e jovens ajudados.

Venha fazer parte dessa história

Como vimos, os Irmãos Marista só chegaram até aqui porque Marcelino Champagnat foi firme no propósito de cativar mais pessoas a fazerem parte dessa grande família. Ele mesmo disse: “Precisamos de Irmãos”, homens, mulheres, religiosos, leigos e leigas.

Que tal então fazer responder a esse chamado integrando essa história? Temos dois convites de leitura: